8/2/2010 – A nova agenda neoliberal

A nova agenda neoliberal

Por Eduardo Bomfim*

Na medida em que a economia brasileira caminha a passos largos rumo ao patamar de um desenvolvimento comparável aos países do primeiro mundo, considerando a afirmação do Ipea de que em 2016 alcançaremos as nações desenvolvidas, impõe-se a mesma correspondência quanto aos nossos indicadores sociais de qualidade de vida.

É correto afirmar que em primeiro lugar vem a produção da riqueza nacional.

Tem sido exatamente o crescimento do produto interno bruto que através do desenvolvimento persistente, apesar da crise financeira internacional, vem possibilitando a ascensão de milhões de brasileiros às novas condições de vida bem mais elevadas.

A dinâmica da economia está permitindo a inserção de grandes contingentes de trabalhadores no mercado de trabalho formal.

Há mais investimentos em infra-estrutura e em programas sociais, o que possibilita melhorias nos níveis de vida do povo brasileiro.

Por outro lado, um maior poder aquisitivo da população vem aquecendo o mercado interno, razão principal para que o Brasil não tivesse afundado com a quase totalidade dos países na recessão profunda, através da ampliação e facilidades do crédito às amplas camadas do povo brasileiro.

Houve um claro estancamento do processo de desconstrução do Estado nacional que vinha a galope durante o período neoliberal na década de noventa. Tendência essa que só não foi mais grave em decorrência da resistência patriótica do povo brasileiro.

Mas o discurso neoliberal no Brasil e outras nações emergentes envelheceu precocemente em função das contradições surgidas na economia e na política, contrárias às necessidades reais de desenvolvimento capitalista desses países, que não podem prescindir de um papel vigoroso dos Estados nacionais para impulsionar a dinâmica de suas economias.

Assim, é fundamental o fortalecimento das empresas estatais como alavancas poderosas a essas nações em crescimento e com largas margens de expansão.

Essas foram em linhas gerais as causas principais do recuo e certa derrota da primeira ofensiva das doutrinas neoliberais nos países emergentes.

Mas essa doutrina associada ao impulso de dominação imperial mudou a estratégia, induzindo em falsa contradição a sociedade versus Estado, construiu uma extensa malha de ONGs, uma poderosa e bem financiada agenda de conflitos e dispersão à unidade social além de contrárias à soberania dessas nações pelo desenvolvimento econômico.

(*) Advogado, secretário de Cultura de Maceió (AL)

Print Friendly, PDF & Email

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *