Discurso de privatização da Petrobras é baseado em mentiras

Durante audiência pública na Câmara dos Deputados, os argumentos usados pelos governistas para aprovar a privatização da estatal foram desmentidas e maioria dos convidados se manifestou contra a venda

Três mentiras sobre a privatização da Petrobras e a entrega da soberania do país às petroleiras estrangeiras foram expostas nesta terça-feira (4) pelo deputado Bohn Boss (PT-RS), durante audiência pública das comissões de Trabalho e de Fiscalização Financeira e Controle da Câmara dos Deputados.

A privatização não vai garantir recurso para União, a estatal já é extremamente eficiente, e os preços de combustíveis não vão cair. “A primeira lorota é de que privatizando vai angariar recursos para o Estado. Mentira. Porque vendem a preço de banana, não têm nenhum recurso que viria para o tal do caixa”, afirmou.

A segunda falácia, disse ele, e a de que vai ter eficiência. “Imagina a empresa privada falando da Petrobras, que é uma empresa pública, que foi premiada no mundo porque foi a maior, por exemplo, de prospecção no fundo do mar’.

Em terceiro lugar, prosseguiu Bohn, “o grande engodo: os preços para o consumidor vão ser menores”.

A maioria dos convidados afirmou ser contrária à venda de refinarias da Petrobras. Para o ex-consultor legislativo Paulo César Lima, o custo médio de refino da Petrobras é inferior a US$ 3 o barril, o que torna o negócio muito lucrativo para a empresa. Ele disse ainda que os países produtores de petróleo geralmente refinam tudo o que produzem.

No Brasil, por causa da política de preços da Petrobras, que é vinculada ao mercado internacional, a equação é complicada. Cláudio Ishihara, do Ministério de Minas e Energia, informou que o país exporta petróleo cru e importa 15% dos derivados, embora 30% da capacidade das refinarias esteja ociosa. Ele explicou que, do ponto de vista do governo, a ideia não é construir refinarias mesmo que o mercado seja de expansão por conta do pré-sal:

“A gente aponta, sim, necessidade de refino no futuro; mas, por outro lado, não há mais esse poder determinante de mandar construir refinarias. Nem no setor elétrico isso ocorre mais”, disse.

Em julho, o Supremo Tribunal Federal concedeu liminar que barrou a venda parcial de quatro refinarias da Petrobras que estava sendo encaminhada pelo governo atual. O ministro Ricardo Lewandowski entendeu que o Congresso teria que autorizar a venda de estatais. Paulo César Lima disse que a venda criaria duas empresas monopolistas no Sul e no Nordeste porque, além do refino, seriam vendidos os dutos e os terminais de armazenagem.

Fernando Siqueira, da Associação dos Engenheiros da Petrobras (Aepet), disse que a empresa espera receber cerca de US$ 21 bilhões em vendas de ativos entre 2018 e 2022, o que ele considera pouco em relação à capacidade da companhia de gerar recursos e manter o seu patrimônio.

*Com informações RBA

Print Friendly, PDF & Email

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *