AL tem 45 hospitais fechados

SAÚDE PÚBLICA. Conselho Regional de Medicina denuncia descaso

Por: BLEINE OLIVEIRA – REPÓRTER

O Conselho Regional de Medicina de Alagoas (Cremal) vai produzir relatório sobre as condições das unidades de saúde e hospitais do interior, bem como do Hospital Geral do Estado (HGE), em Maceió, e da Unidade de Emergência do Agreste (UEA), em Arapiraca. O trabalho deverá ser concluído no prazo de 30 dias.

Ao afirmar que 45 estabelecimentos da rede pública estadual não funcionam e que os dois hospitais de urgência e emergência sofrem hiperlotação, o presidente do Conselho, Fernando Pedrosa, revelou que o relatório será encaminhado ao ministério público Federal e Estadual, e ao Ministério da Saúde, cobrando providências, diante do que define como “caos na saúde pública de Alagoas”.

Ontem, ao apresentar estudo do Conselho Federal de Medicina (CFM) sobre a distribuição de médicos no País, Pedrosa destacou a realidade alagoana como de intensa desigualdade. O estudo mostrou que faltam médicos nas cidades interioranas, já que 94% dos profissionais estão na capital. Segundo o Cremal, são 3.921 médicos em atividade no Estado, e somente 231 deles estão nos municípios, atendendo a mais de 2,2 milhões de alagoanos.

A razão, afirma Fernando Pedrosa, é a falta de uma política de saúde digna e eficiente. “Em Alagoas, o governo mantém contrato de boca, paga salários vergonhosos. Por isso os médicos vão trabalhar fora”, disse o presidente do Conselho Regional de Medicina. O médico alagoano tem em média 49 anos de idade, o que mostra o envelhecimento desse profissional.

Matéria retirada do Jornal Gazeta de Alagoas versão on-line

Print Friendly

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *