AL terá que devolver UPAs prontas, caso não entrem em funcionamento em 60 dias

Técnicos do Ministério da Saúde estiveram no estado na última semana

 

15/04/2013

 

Alagoas poderá ter que devolver ao Ministério da Saúde três Unidades de Pronto Atendimento (UPAs) que estão prontas, caso elas não entrem em funcionamento dentro de 60 dias. Na última semana, representantes do governo federal estiveram no estado para cobrar de gestores públicos o início das atividades.

Conforme nota publicada no portal do estado, a portaria 342, expedida pelo governo federal em 4 de março deste ano, determina o início das atividades 90 dias após a publicação. Os gestores têm menos de 60 dias para iniciar os trabalhos. Estão prontas, mas ainda não em funcionamento as UPAs de Palmeira dos Índios, Delmiro Gouveia e Marechal Deodoro.

“Os municípios solicitaram a implantação das UPAs e foram previamente informados sobre o prazo que havia para a construção das instalações, bem como para o início do atendimento à população. Por isso, todas as determinações da portaria de março devem ser cumpridas, sob risco de os municípios serem obrigados a devolver as unidades, caso não cumpram os prazos especificados pelo Ministério da Saúde”, afirmou Ana Cristina Nogueira, representante do governo federal em entrevista à Agência Alagoas.

Um dos problemas apontados para o início do funcionamento das UPAs é o alto custo operacional. “Serão gastos aproximadamente R$ 355 mil por mês e serão contratados mais de 75 profissionais”, afirma Renata Marilene, diretora de urgência e emergência de Marechal Deodoro.

Na última semana, a Gazeta de Alagoas mostrou que a construção da UPA do município de Maragogi, no Litoral Norte, está parada desde janeiro deste ano. O governo do estado informou que os trabalhos devem ser retomados esta semana.

 

Matéria retirada do Portal Gazeta Web.

Print Friendly

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *