MP apura supersalários na Câmara

Vencimentos de até R$ 50 mil foram flagrados em investigação

22/03/2013 07h05

 

O Ministério Público Estadual, por meio da Promotoria da Fazenda Pública Municipal, vai entrar com ação determinando que a Câmara de Maceió limite os salários pagos a alguns servidores ao estabelecido pela Constituição e que os beneficiados com valores acima do patamar legal devolvam o que receberam a mais.

Entre eles estão dois ex-presidentes da Casa, Galba Novaes e Arnaldo Fontan, e o montante estimado para devolução é de cerca de R$ 1,2 milhão.

Segundo a promotora Fernanda Moreira, da Promotoria da Fazenda Pública Municipal, nesse montante não incidem ainda a atualização monetária. A Promotoria é órgão do Ministério Público Estadual que fiscaliza as contas públicas referentes ao município, tanto Executivo (Prefeitura), quanto Legislativo (Câmara).

Além de ter sido vereador, Fontan é servidor da Câmara, ocupando o cargo de tesoureiro, assim como Novaes, que é lotado na Procuradoria.

A Gazeta os procurou ontem, mas eles não foram localizados.

 

Matéria retirada do Portal Gazeta Web.

Print Friendly

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *