Ortopedistas e pediatras do HGE ameaçam demissão

11/03/2013 11:22

Marigleide Moura

 

A crise na Saúde de Alagoas pode ganhar mais um capítulo nos próximos dias. Os médicos ortopedistas e pediatras do Hospital Geral do Estado (HGE) ameaçam demissão coletiva. A decisão dos profissionais foi tomada em reunião no Sindicato dos Médicos de Alagoas (Sinmed), na noite da quinta-feira, 7.

O alastramento da crise será discutido em assembleia da categoria na noite de hoje na sede do sindicato a partir da 19 horas. Na pauta do encontro, os médicos também devem avaliar a greve dos profissionais que atendem pelo Sistema Único de Saúde (SUS) e que estão de braços cruzados há exatos três meses.

Mesmo com milhares de alagoanos prejudicados pela falta de atendimento médico, o governo do Estado e os profissionais não chegam a um acordo. Segundo a Secretaria de Estado de Gestão Pública, a concessão de reajuste salarial para os médicos pode ferir a Lei de ResponsabilidadeFiscal (LRF). Enquanto isso, profissionais são contratados via cooperativa com altos salários.

Cirurgiões sem contrato fecham com cooperativa e efetivos vão processar Estado

Do outro lado, apesar do impasse, a Secretaria de Estado da Saúde, por meio da assessoria de Comunicação, informou a reportagem do Primeira Edição na manhã desta segunda-feira que a negociação com a classe continua.

Os médicos representados pelo sindicato reclamam de baixos salários, de más condições de trabalho nos Hospitais e ambulatórios espalhados pelo Estado e pela falta de definição para a realização de concurso público. Segundo pesquisa divulgada recentemente pelo Conselho Federal de Medicina, faltam médicos em Alagoas. A média estadual é de 1,24 médicos para cada mil pessoas.

Até o Conselho Regional de Medicina de Alagoas já se pronunciou sobre as dificuldades na saúde pública e prometeu levar o caso através de relatório ao Ministério da Saúde. Semana passada, o movimento ganhou apoio do Senador Fernando Collor, que não poupou críticas ao governador.

 

Matéria retirada do site Primeira Edição.

 

Print Friendly

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *