Testes Rápidos de HIV e Sífilis são disponibilizados pelo SUS em 21 municípios de AL

Divulgação

 

26/04/2013

 

A população de Alagoas já possui acesso as Testes Rápidos de HIV e Sífilis em 21 dos 102 municípios. Um serviço que é oferecido em Unidades Básicas de Saúde e cujo resultado é disponibilizado aos usuários do Sistema Único de Saúde (SUS) em apenas 15 minutos.

Os testes estão disponíveis em unidades de saúde dos municípios de Atalaia, Arapiraca, Campestre, Campo Alegre, Delmiro Gouveia, Junqueiro, Maragogi, Matriz do Camaragibe e Marechal Deodoro. Também é possível realizá-los em Messias, Palmeira dos Índios, Penedo, Pilar, Piranhas, Rio Largo, São Luiz do Quitunde, Santana do Ipanema, São Sebastião, Satuba e
União dos Palmares

Já em Maceió, os exames estão disponíveis na Maternidade Escola Santa Mônica, Hospital Universitário e Maternidade Denilma Bulhões. As Unidades de Saúde Municipais Jorge Nasser, São José, Tereza Barbosa, Denisson Menezes e os PAM Bebedouro e Salgadinho também ofertam os testes rápidos gratuitamente.

Expansão – Mas a meta da Secretária de Estado da Saúde (Sesau) é expandir o serviço, assegurando que, até o final de 2014, todos os municípios alagoanos estejam aptos para a realização dos testes rápidos. Para isso, segundo a técnica em transmissão vertical de HIV e Sífilis, Sheila dos Anjos, profissionais da Vigilância Epidemiológica Estadual e da Atenção Básica estão capacitando os técnicos municipais.

Os últimos cursos ocorreram nos últimos dias 24 e 25 deste mês, respectivamente em Delmiro Gouveia e Inhapi. Durante as capacitações, os profissionais assistem a aulas teóricas e práticas, tornando-se aptos para aplicar os testes. O curso foi desenvolvido pelo Ministério da Saúde e tem como público-alvo os profissionais que atuam no atendimento ao público, a exemplo de médicos, enfermeiros e dentistas.

Ainda de acordo com a técnica em transmissão vertical de HIV e Sífilis, os testes são eficazes. “A informação é a principal arma para qualquer ser humano, especialmente para alguém infectado com HIV ou Sífilis. Apenas após o diagnóstico, o paciente pode evitar a contaminação de outras pessoas e será possível iniciar o tratamento”, explicou Sheila.

Ainda de acordo com a técnica da Sesau, os testes possuem uma importância ainda maior para as gestantes. Isso porque, elas devem realizar a avaliação no inicio e no fim da gravidez, garantindo o tratamento adequado e resguardando o feto de complicações futuras.

“No caso específico das grávidas, o diagnóstico precoce, ocorrido durante o pré-natal, oportuniza o tratamento e o acompanhamento das pacientes. Quando isto é feito de forma correta, se evita a transmissão vertical, ou seja, a transmissão da mãe para o feto”, Sheila dos Anjos.

Dados do HIV e Sífilis – Alagoas registrou, de 1986 a 2011, 3.854 casos de infecção pelo vírus HIV e ficou em 4º lugar do Nordeste, em número de casos. De acordo com dados da Sesau, em 2011 foram registrados 318 novos casos, representando um aumento de 44% em relação ao ano anterior, quando foram contabilizadas 213 novas vítimas.

Com relação à Sífilis, também foi registrado um aumento no número de casos em Alagoas. Isso porque, em 2010 foram notificados 304 casos e, no ano seguinte, o número passou para 350. “A prevenção é a principal forma para impedir o avanço de doenças como a AIDS e Sífilis. O Estado tem realizado campanhas sistemáticas de conscientização, além de distribuir preservativos e capacitar profissionais para o diagnóstico precoce”, enfatizou Sheila dos Anjos.

 

Matéria retirada do Site Primeira Edição.

Print Friendly

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *