UTI e UCI do Ib Gatto Falcão estão fechadas há 3 anos

Ministério Público vai investigar falta de atendimento a gestantes após denúncia do Conselho Municipal de Saúde

22/03/2013 10h09

 

O Ministério Público do Estado (MPE) vai investigar a falta de atendimento a gestantes no Hospital Ib Gatto Falcão, em Rio Largo, que vem causando prejuízos à população. As Unidades de Controle Intermediário (UCI) e de Terapia Intensiva (UTI) estão fechadas há mais de três anos. Publicada no Diário Oficial do Estado (DOE), a portaria se fundamenta na promoção da defesa dos direitos humanos da criança e do adolescente.

Na publicação, o promotor de Justiça Cláudio Luiz Galvão Malta considera que, apesar da completa estrutura com equipamentos necessários para o funcionamento da unidade, os serviços estão paralisados, supostamente pela falta de profissionais para os procedimentos necessários.

O órgão constatou os problemas ao inspecionar a unidade e ser informada pelo Conselho Municipal de Saúde de que o Ministério da Saúde (MS) não deixou de enviar os recursos para a manutenção dos serviços, apesar da deterioração dos equipamentos. Tal fato pode incorrer em crime de improbidade administrativa. Por sua vez, a Portaria Nº 001/2013 destaca o compromisso assumido pela Secretaria Estadual de Saúde (Sesau), em “dar efetividade ao funcionamento do atendimento materno assistencial”.

O texto ainda considera que o hospital deveria funcionar como referência no atendimento materno para 12 municípios da região, “o que não vem acontecendo há anos, tendo em vista a precariedade do atual estado em que se encontra o mencionado serviço”. Por esta razão, saem prejudicadas a Maternidade Escola Santa Mônica, no Poço, e outras unidades da capital, cujos funcionários e pacientes são obrigados a conviver com a superlotação.

De posse das informações, o Ministério Público vai expedir ofícios à Sesau, Secretaria Municipal de Saúde e Conselho Municipal de Saúde, para instaurar o procedimento investigativo, Conselho Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente e ao Conselho Tutelar.

 

Matéria retirada do Porta Gazeta Web.

Print Friendly

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *