Centrais fecham posição contra a terceirização que precariza o emprego

E montam plano de ação para barrar projetos no Congresso e construir uma nova proposta

 

Escrito por: Isaías Dalle

21/05/2013

 

As centrais CUT, Força, UGT, CTB, Nova Central e CGTB concordam que os projetos sobre terceirização que tramitam no Congresso Nacional, que liberam por completo essa forma de contratação e servem para retirada de diretos, precisam ser detidos.

 

Vagner fala durante reunião

 

Com essa convicção, lideranças reunidas na manhã desta terça na sede da UGT, em São Paulo, elaboraram um plano de ação para construir uma nova proposta que unifique a todas nesse assunto. Já há consenso, no entanto, que p PL 4330 não pode passar.

No próximo dia 27, as centrais vão se reunir com deputados federais de oriundos de suas bases para elaboração de nova proposta. Já no dia seguinte, em Brasília, reúnem-se com Marco Maia, relator da votação.

“Nós defendemos a responsabilidade solidária das empresas contratantes com os trabalhadores terceirizados e que o acordo coletivo que vale nas negociações seja do sindicato predominante”, disse o presidente da CUT, Vagner Freitas, durante a reunião. “Não podemos permitir que passem esses projetos que pretendem usar a terceirização como elemento para arrebentar o atual mercado de trabalho. Seria uma chaga histórica”, completou.

O secretário de Administração e Finanças Quintino Severo lembrou também que o governo Dilma, em reunião recente com as centrais, comprometeu-se a ter empenho para ajudar nessa disputa no Congresso. “O governo tem de entrar no jogo de verdade”.

 

Matéria retirada do Site CUT Nacional.

 

Print Friendly

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *