Grande marcha pela dignidade

Escrito por Secretaria de Imprensa e Divulgação/FENASPS

Qua, 03 de Abril de 2013

fsm
O Fórum Social Mundial começou com ativistas sociais, partidos de esquerda, sindicatos de diferentes países em uma marcha em defesa da “democracia, trabalho, liberdade e dignidade” das pessoas.

O Fórum Social Mundial (FSM) 2013 Tunísia começou oficialmente terça-feira,  na capital do país Africano, com uma enorme “marcha pela dignidade”, que trouxe milhares de anti-capitalistas manifestantes, que aproveitaram a reunião internacional para expressar solidariedade com o processo revolucionário começou na capital da Tunísia e se espalhou para outros países na região: a Primavera Árabe.

 

Ativistas sociais, membros de partidos de esquerda, sindicatos, feministas e ambientalistas de diferentes países do mundo, as vozes se uniram em um marcha colorida e sem precedentes em defesa da “democracia, trabalho, liberdade e dignidade” das pessoas.

 

Tunisinos rebeldes que se levantaram contra a pobreza ea opressão e deposto presidente Zine el Abidine Ben Ali (1987-2011), desfilaram pela primeira vez com os membros do mundo para lembrar as causas de sua luta. “Nós vivemos em uma sem precedentes, com o regime de Ben Ali teria sido possível que os trabalhadores de todo o mundo manifestam juntos em liberdade” na Tunísia, disse a jornalistas Mouhieddine Cherbib, membro da comissão organizadora do fórum.
Somente movimentos islâmicos agora no poder, perdeu o protesto que deixou uma mensagem de rejeição ao “extremismo” o governo tunisiano levou maioria islâmica.

 

O protesto estava presente Hama Hamami, líder do Partido Comunista dos Trabalhadores da Tunísia (POCT), o principal grupo da Frente Popular, o adversário Bloco de Esquerda.

 

Tunisianos, egípcios, marroquinos, argelinos, palestinos, saarianos, África do Sul, Brasil, Argentina e muitos outros representantes de movimentos sociais que questionam a partir das diferentes áreas de trabalho do modelo hegemônico neoliberal e proclamou que “um outro mundo é possível”.

 

O FSM, o principal evento anual do movimento anticapitalista, começou no sábado, chamando para mais de 30.000 pessoas e associações de todo o mundo para participar de oficinas, reuniões e conferências que vão olhar para os problemas econômicos e sociais de hoje e, especialmente, sobre os desafios dos países árabes.
Mesmo antes do início do FSM, as mulheres tunisianas, com o apoio de feministas do resto do planeta, chamados a lutar para evitar que, no pós-revolucionário, “fundamentalismo” islâmico “a adequada e controlar” seus corpos.
Quase mil mulheres feministas exortou o mundo a seguir o “combate à violência de gênero”, depois de informar que “a luta das mulheres árabes revoluções não foi considerado.”
“Vamos reunir as vozes das mulheres, contra o patriarcado dominante e contra todas as formas de extremismo e fundamentalismo que querem propriedade e controlar o nosso corpo”, proclamou ativistas do Campus da Universidade de Tunis El Manar.

 

Matéria retirada do site FENASPS.

Print Friendly

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *