SERVIDORES PROTESTAM CONTRA CORTE DE DESPESAS NO BANCO CENTRAL

Publicado

 

05/08/2013

 

Sindicato Nacional dos Funcionários do Banco Central (Sinal) diz que o corte anunciado de R$ 47,1 milhões do orçamento anual coloca em risco as atividades-fim do BCB. Leia a nota: 

 

Após a publicação das portarias  77.832  e  77.833 , em 13 de agosto, e, principalmente, do  Comunicado da Diretoria Colegiada de Adequação Orçamentária no Banco Central , que atenderam obsequiosamente as determinações do Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão (MPOG), os servidores, indignados, manifestam-se diante das seções regionais do Banco Central.

 À medida que as dificuldades aparecem, inviabilizando o cumprimento de nossas obrigações, constatamos a irracionalidade das decisões tomadas. Em todas as unidades do BCB, o que vemos é desmotivação, descrédito e revolta, não só com as determinações, mas, principalmente, com a forma insensível e desumana com que dispensaram estagiários e terceirizados.

 Hoje, em protesto contra as determinações, servidores e dirigentes do Sinal manifestaram-se diante das seções regionais do Banco Central.

 Os informativos das três maiores regionais do Sinal refletem e retratam o grave momento que estamos vivendo. No Apito Carioca a edição de segunda-feira, 2, destaca que aimplementação, imediata, dessas “ordens” objetiva a promoção de “efeito-demonstração” à mídia e aos investidores, mascarando o verdadeiro problema de desvio de recursos públicos nos grandes investimentos que sustentam  pesadas campanhas eleitorais.

 

O mesmo informativo observa a diferente forma de agir da Direção do BC, quando as questões são em benefício dos servidores e quando são contra nós. Compara a situação do Grupo de Trabalho (GT) da litigiosidade, criado para equacionar o passivo trabalhista do Bacen com a cobrança dos valores do FGTS do período de 1991-96. No GT, somos testemunhas das protelações e omissões da autarquia; já na questão do FGTS, o comportamento é tempestivo e leal, mesmo atendendo determinações de base legal questionável. Esta cobrança, além de prescrita, atinge principalmente aos servidores aposentados, que já sacaram seus recursos dentro das normas vigentes à época.

 

Sinal-DF Informa de ontem, 3, mostra a obediência do BCB à irracionalidade do governo em determinar o “corte de despesas”. Destaca que, ao agir dessa forma, “o Banco Central adentrou, sem resistir, em terreno de maiores riscos operacionais, legais e de imagem”.

 

A edição ressalta que o BCB optou por não dizer à sociedade, por exemplo, quantas ações de fiscalização direta deixariam de ser realizadas ou quantas pessoas seriam colocadas na rua, desempregadas e sem perspectiva.

 

Denuncia, ainda, a deterioração do clima organizacional, com o fato de o comunicado ter sido baixado sem contato pessoal, reunião no auditório ou de chefes com suas equipes.

 

No Boca Paulista do ida 3, o texto “ Falta razão e sobra irracionalidade” aponta que o cumprimento da meta de superavit primário e a necessidade de uma profunda revisão na forma de condução da economia, especialmente no que se refere à política fiscal, empobreceu-se com as desonerações recentes, que resultaram em R$ 49,7 bilhões de renúncia fiscal, segundo dados divulgados pela Receita Federal.

 

Assim, sob o argumento de combater a inflação, o governo eleva seus gastos com juros. E, como o “cobertor é curto”, acaba por estrangular o serviço público, diz o informativo do Sinal-SP, ressaltando que o corte anunciado de R$ 47,1 milhões do orçamento anual coloca em risco as atividades-fim do BCB.

 

Segundo a regional paulistana do sindicato, o corte não atingirá somente os serviços e atividades do museu, da galeria e da biblioteca, considerados menos importantes pela Administração. Já fortemente impactada, a área de fiscalização sofre com o trabalho de coleta de dados e preservação de informações.

 

Além disso, como a rede de contingência de dados foi desativada, perguntamos: estariam nessas condições os serviços do Sistema de Pagamentos Brasileiro – SPB?

 

Não aceitaremos esses desmandos. Não permitiremos que se coloque em risco o cumprimento das nossas funções, transformando o BCB em uma instituição desvalorizada e desacreditada.


Fonte: Sinal BC

 

Brasília, 09h00

 

Reprodução Blog do Servidor, Correio Braziliense.

Print Friendly

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *