Alagoas realiza a 4ª ação internacional da Marcha Mundial das Mulheres

4ª ação internacional da Marcha Mundial das Mulheres, que foi lançado no dia 8 de março de 2015

No Brasil, diferente de outros momentos em que as mulheres de todo o país se reuniram em uma ação comum, a Ação de 2015 terá atividades como processo enraizado em âmbito local. Vamos realizar atividades descentralizadas, para dar visibilidade as lutas que nós mulheres realizamos em nossos territórios, nossas resistências e nossas práticas que constroem novos paradigma.
Aqui em Maceió fizemos nossa atividade com um ato publico no centro da cidade e seguimos em caminhada à Delegacia da Mulher e em seguida ao Palácio do governo para protocolar nossas reivindicações em relação a segurança pública, posto que em Alagoas é o Estado onde ocorre uma frequência assustadora de assassinato de mulheres. O feminicidio não pode ser ignorado pelo poder público.
O ato de encerramento da 4ª Ação aconteceu no dia 08 de outubro no calçadão do comércio, com participação das mulheres de vários segmentos dos movimentos sociais e sindicais, urbanas e rurais. A batucada feminista da Marcha Mundial esteve presente cantando as músicas com palavras de ordem.
SEGUIREMOS EM MARCHA ATÉ QUE TODAS SEJAMOS LIVRES.

Veja fotos compartilhadas do site do SINTEAL:

marcha marcha2 marcha3 marcha4 marcha5 marcha6 marcha7 marcha8 marcha9 marcha10 marcha11

“Seguiremos em marcha até que todas sejamos livres” é o eixo que nos movimenta na 4ª ação internacional da Marcha Mundial das Mulheres, que foi lançado no dia 8 de março de 2015.


Com esta ação, queremos fortalecer a defesa dos “territórios das mulheres”, que são compostos por nossos corpos, pelo lugar onde vivemos, trabalhamos e desenvolvemos nossas lutas, nossas relações comunitárias e nossa história.
Mulheres de 96 países onde o movimento está presente sairão às ruas para denunciar as causas que oprimem e discriminam mulheres em todo o mundo. Ao mesmo tempo, um amplo processo de formação política feminista será realizado para identificar as ameaças que as mulheres sofrem em cada região do planeta, e também para construir de forma coletiva as nossas práticas e propostas para construir um mundo baseado na igualdade, liberdade, justiça, paz e solidariedade.
(fotos compartilhadas do Site do Sinteal-Al)

Print Friendly, PDF & Email

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *