Dirigentes da CNTSS/CUT se reúnem com presidenta do INSS para discutir campanha salarial 2015

Audiência, que aconteceu na quinta-feira, 15, marcou inicio do processo negocial dos servidores do seguro social; CNTSS/CUT informou que iniciará forte processo de mobilização junto à base sindical
Escrito por: Assessoria de Imprensa da CNTSS/CUT

A CNTSS/CUT – Confederação Nacional dos Trabalhadores em Seguridade Social, representada por seu presidente, Sandro Cezar; sua secretária de Comunicação, Terezinha de Jesus Aguiar, também dirigente do Sintfesp GO; e por Ronaldo Augusto de Alcântara, dirigente do Sindsprev Alagoas e representante da Confederação no CGNAD –  Comitê Gestor Nacional de Avaliação de Desempenho, se reuniu na quinta-feira, 15/01, com a presidenta do INSS – Instituto Nacional do Seguro Social, Elisete Belchiol da Silva Iwai.  A audiência, que foi solicitada pela Confederação, teve como pauta principal a instalação do processo negocial para a campanha salarial 2015 dos servidores do seguro social e contou também com a participação de membros da equipe técnica do Instituto.

O encontro teve início com a intervenção feita pelo presidente da CNTSS/CUT, Sandro Cezar. O dirigente fez questão de mencionar a importância da audiência para dar prosseguimento às discussões feitas amplamente pelos trabalhadores no que diz respeito à pauta de reivindicações da categoria para a campanha salarial de 2015.  Também citou que a categoria vê com bons olhos a escolha feita pela presidenta Dilma Rousseff para o Ministério da Previdência Social, Carlos Eduardo Gabas, e Elisete Belchiol para a presidência do Instituto, pois ambos já faziam parte do quadro de dirigentes destas duas áreas do governo federal e são servidores de carreira.

“Os trabalhadores representados pelo CNTSS/CUT aguardam o resultado deste encontro com grande expectativa. A categoria já vem discutindo há algum tempo a questão da campanha salarial deste ano e já fechou uma pauta, que já foi protocolada no Ministério e no INSS, com as principais reivindicações. Além disto, é fato notório que a tabela salarial de Carreira do Seguro Social é a mais perversa, uma vez que ocorrem perdas significativas no caso do trabalhador que optar por se aposentar”, afirma Sandro Cezar.

O presidente da CNTSS/CUT deixou clara a disposição da Confederação: “A CNTSS tem lado e este lado e ao lado dos trabalhadores. Estamos nos organizando e vamos ser protagonistas da campanha nacional juntamente com as demais entidades do funcionalismo público federal. Temos um calendário nacional e o especifico. A partir deste momento, iniciaremos um forte processo de mobilização junto à base sindical, buscando todos os esforços e as últimas consequências para garantir a conquista da pauta debatida ao longo desses últimos quatro anos. Portanto, temos uma agenda, um calendário e vamos fazer o que historicamente já fizemos no passado, que é lutar pelo direito dos trabalhadores”.

Terezinha Aguiar reiterou que a audiência acontece em um momento importante para os trabalhadores, neste caso especialmente aos profissionais da carreira do Seguro Social, que já estão iniciando a campanha salarial de 2015. Aproveitou a oportunidade para lembrar a representante do INSS sobre a elaboração de uma proposta no CGNAD, que teve a participação das entidades representativas dos servidores e dos representantes do Instituto.

“Este documento elaborado no CGNAD culminou com a emissão da Nota Técnica nº 03- DGP/INSS, que foi encaminhado em maio de 2014 ao MPOG – Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão, e até o presente momento os trabalhadores não tiveram nenhum retorno sobre as propostas apresentadas. Temos, ainda, pendências como o déficit de pessoal, a IN 74 que responsabiliza e procede a cobrança administrativa dos servidores de concessões irregulares de beneficio, lotação ideal em cada APS e área meio e concurso público”, destaca a secretária da CNTSS/CUT.

Ronaldo Alcântara, do Sindsprev AL, falou que esta nas mãos da atual direção do INSS corrigir a estrutura remuneratória perversa que penaliza quem decide se aposentar. Lembrou que os processos de trabalho no INSS são desgastantes e provocam o adoecimento. Alerta que haverá a risco de “perda da memória do INSS”, que consiste na saída do quadro técnico formado ao longo de tantos anos, além da evasão da nova safra de servidores que chegam ao Instituto e não aguentam o ritmo do trabalho.

A presidenta do INSS informou aos representantes dos trabalhadores que a ausência do ministro Carlos Eduardo Gabas se deu em virtude do grande número de reuniões que ele esta realizando com sua equipe e outras áreas do governo. Fez questão de destacar que a CNTSS/CUT foi a primeira entidade de trabalhadores a pleitearem uma audiência com as duas áreas do governo federal. Elisete Belchiol também disse que está se reunindo com sua equipe para tomar ciência dos assuntos mais urgentes.

“Realizamos reunião com 45 gerentes e todos colocaram a preocupação com a estrutura remuneratória, turno estendido e déficit de pessoal. Já estou informada sobre o relatório do TCU – Tribunal de Contas da União que versa a respeito das questões relativas a lotação ideal. Mesmo com as dificuldades econômicas do governo, iremos manter o canal de diálogo permanentemente aberto com os trabalhadores e suas entidades representativas. Buscaremos, eu e o ministro Gabas, entendimentos junto ao ministro do Planejamento, Nelson Barbosa. Deveremos agendar novo encontro para os próximos dias”, esclareceu Belchiol.

Print Friendly

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *