Em protesto contra o agronegócio, mulheres camponesas ocupam Ministério da Agricultura

Thais Leitão

Repórter da Agência Brasil

07/03/2013 – 9h07

Brasília – Um grupo de mulheres ligadas ao Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST), ao Movimento Camponês Popular, à Via Campesina e ao Movimento dos Atingidos por Barragens ocupa desde as 6h o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, em Brasília.

Segundo Kelli Mafort, integrante da coordenação nacional do MST, as camponesas protestam contra o modelo de desenvolvimento pautado no agronegócio e cobram do governo aceleração no processo de reforma agrária.

“Estamos em um ato político de protesto para defender uma agricultura que garanta a nossa soberania alimentar, com a produção de alimentos saudáveis, livre de agrotóxicos e com preservação ambiental, e que contribua para a autonomia das mulheres no campo”, disse, acrescentando que, desde o início da ocupação, muitas camponesas relatam suas experiências no campo e contam como o avanço do agronegócio no país impacta as atividades que desempenham.

“O agronegócio expulsa o trabalhador do campo e as mulheres são as primeiras a sofrerem as consequências desse processo, não apenas pela exposição a agrotóxicos e venenos, mas porque, sem trabalho, elas voltam para casa e sua atividade e existência ficam invisíveis”, ressaltou.

Kelli Mafort destacou que os movimentos pressionam o governo pelo assentamento de 150 mil famílias, sendo 90 mil ligadas ao MST. As camponesas também reivindicam maior acesso ao crédito, à assistência técnica e a políticas como o Programa de Aquisição de Alimentos e Programa Nacional de Alimentação Escolar. As mulheres também querem a intensificação da campanha de documentação rural.

A mobilização faz parte da Jornada Nacional de Lutas das Mulheres Camponesas que ocorre em vários estados. Em Brasília, cerca de 700 camponesas estão acampados ao lado do Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra) desde a última terça-feira (5). Há mais de 15 anos, sempre no mês de março, as mulheres se unem em jornada para reivindicar os direitos das trabalhadoras.

Edição: Lílian Beraldo

 

Matéria retirada do site Agência Brasil

Print Friendly

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *