Presidente da CNTSS/CUT divulga Nota contra a Reforma da Previdência e a reestruturação do Ministério da Previdência

Nota divulgada defende o Estado de Direito, a Democracia e os direitos e as conquistas da classe trabalhadora

Escrito por: Assessoria de Imprensa CNTSS/CUT

O presidente da CNTSS/CUT, Sandro Alex de Oliveira Cezar, divulga Nota em que reafirma a posição contrária à Reforma da Previdência e a reestruturação do Ministério da Previdência propostas por Michel Temer e seu aparato golpista que tomaram conta do Executivo Federal em virtude da aprovação do Senado da instauração do processo de impeachment da presidenta Dilma Rousseff, eleita com mais de 54 milhões de votos.

Veja abaixo a íntegra da nota.

A CNTSS/CUT – Confederação Nacional dos Trabalhadores em Seguridade Social, como representante legítima dos trabalhadores e trabalhadoras da Seguridade Social, vem a público manifestar sua posição contrária a qualquer proposta de Reforma na Previdência encaminhada pelo grupo golpista que ocupou o Executivo Federal a partir da aprovação no Senado de instauração de processo de impeachment contra a presidenta Dilma Rousseff.  A interinidade de 180 dias conferida pelo Senado não relativiza de forma alguma a violência institucional e a arbitrariedade do processo golpista desencadeado pela oposição partidária, setores do empresariado e do Judiciário e a grande mídia e, tampouco, acrescenta legitimidade ao presidente interino, Michel Temer, e sua composição ministerial, formada, quase que exclusivamente, por políticos investigados na Operação Lava a Jato.

A Confederação saúda e se solidariza à posição tomada pela CUT – Central Única dos Trabalhadores, na pessoa de seu presidente, Vagner Freitas, em não reconhecer os golpistas como governantes e não comparecer em reunião agendada para esta segunda-feira, 16/05, por Michel Temer com as Centrais Sindicais visando a discussão sobre a Reforma da Previdência. O “governo interino” não tem legitimidade para propor ao Congresso Nacional mudanças no Sistema Previdenciário. Este grupo que chegou ao poder não é detentor do respaldo da sociedade manifestado por meio do voto popular. A presença de Michel Temer e seus asseclas no mais alto escalão do Executivo Federal agride a vontade popular dos mais de 54 milhões de eleitores que votaram em Dilma Rousseff e também da expressiva parcela da população que vem se manifestando cotidianamente contra o golpe nas ruas de todo o país.

Destacamos que também não aceitamos a proposta de reestruturação ministerial que atrela a área da Previdência Social ao Ministério da Fazenda, uma vez que não é de conformidade ao posicionamento histórico dos servidores do INSS – Instituto Nacional do Seguro Social. A Confederação não legitimará qualquer processo de discussão que possa prejudicar a classe trabalhadora. Queremos, desta forma, reafirmar que são os trabalhadores e os setores economicamente vulneráveis da sociedade os mais atingidos pelo golpe e pela suposta agenda de reformas pretendida por Michel Temer.

Sabemos que a volta do Estado de Direito só será possível com a luta dos trabalhadores, dos movimentos sociais e dos segmentos progressistas da sociedade brasileira. A classe trabalhadora sempre se manifestará contrária a qualquer intervenção que possa atingir seus direitos e conquistas alcançados nos últimos anos. A última década consolidou a democracia e colocou o país em destaque dentro da geopolítica internacional. Os trabalhadores foram artífices deste processo e não permitirão qualquer tipo de retrocesso. Não vai haver golpe. Somos fortes. Somos CUT.

Sandro Alex de Oliveira Cezar é presidente da CNTSS/CUT – Confederação Nacional dos Trabalhadores em Seguridade Social e dirigente do SINTSAÚDE RJ – Sindicato dos Trabalhadores no Combate às Endemias e Saúde Preventiva no Estado do Rio de Janeiro

Print Friendly

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *